segunda-feira, 21 de setembro de 2015

SE EU FOSSE UM LIVRO, SERIA...

Se eu fosse um livro, seria um romance, uma estória linda de amor passada durante a primavera, ao som das andorinhas, com as cores das mais exóticas flores. Contaria aos meus leitores uma estória complexa de um amor platónico, com um grande enredo, mas com um final feliz, e eles acabariam tão apaixonados como as duas personagens principais. Os meus leitores passar-me-iam de geração em geração para que eu não entrasse no esquecimento. E, de noite, depois de adormecerem, sonhariam que vivem no meu romance. Ao acordar, aperceber-se-iam que tudo não passara de um sonho e, com pena, contentar-se-iam em guardar-me não numa prateleira com pó mas nos seus corações.
Renata Silva, 9ºA

Se eu fosse um livro, seria um romance. Teria uma capa chamativa e qualquer pessoa pegaria em mim para ver o meu conteúdo, para saber se era do seu agrado.
Estaria numa biblioteca, numa prateleira onde me sentiria especial. Numa prateleira onde os outros livros, comparados comigo, seriam monótonos e sem graça, seriam livros com conteúdo muito “cliché” que faziam o leitor prever o final da estória. Eu não! Eu teria uma estória tão imprevisível que as pessoas guardariam na memória para todo o sempre. E, no final, o leitor choraria de tão emocionante que ele seria.
Se eu fosse um livro, seria um livro de topo, nunca sairia do lugar de topo de vendas.
Fabiana Santos, 9ºA

Se eu fosse um livro, gostaria de ser um livro de poemas românticos pois poderia expressar-me em forma de rimas, de que eu gosto bastante, e poderia falar de várias coisas acerca do amor.
Seria um livro não muito grande mas também não muito pequeno. Teria exatamente a estrutura ideal e a minha capa seria a capa mais cativante. Seria um “best seller” durante meses.
A idade ideal dos meus leitores seria entre os catorze e os vinte anos e eles teriam de ler um poema por dia para saborearem cada palavra como a última bolacha do pacote. Iria deixá-los a pensar sobre a vida, iria dar conselhos sobre o amor e, ao mesmo tempo, iria torná-los felizes lembrando-os que há sempre alguém que os ama.
Ana Rita Lima, 9ºA

Se eu fosse um livro, seria um livro de aventura e romance, seria um livro de grandes dimensões pois, assim, só quem gostasse de ler se atreveria a fazê-lo. Dentro de mim teria apenas uma história na qual dois mundos paralelos se cruzariam e poriam à prova até aonde o ser humano é capaz de ir por amor. Cada personagem do meu romance teria de travar longas lutas nas quais a força do amor seria sempre a mais forte.
Duas personagens principais: ele seria um rapaz da realeza e ela uma rapariga plebeia do outro lado do mundo. Eles ter-se-iam conhecido através das redes sociais e ter-se-iam apaixonado. As regras do seu reino não permitiam que ele se encontrasse com ela. Então, ele teria fugido e abandonado a sua monótona vida para ir à procura da aventura.

Isabel Silva, 9ºA